Como Introduzir um Tema

1. A introdução deve, antes de tudo, brilhar pela sua sobriedade e sua brevidade.

2. Como indica a etimologia da palavra ("conduzir dentro"), a introdução destina-se a fazer o tema entrar no ouvinte e o ouvinte penetrar no tema, isto é, no problema a ser discutido.

3. Na introdução, anuncia-se as linhas mestras do problema e da interrogação induzida pelo tema.

4. A introdução deve ser atraente, intelectualmente excitante (é preciso abrir o apetite do ouvinte), brilhante e determinada, decisiva na exposição da "razão" do tema.

5. Uma introdução compreende três momentos:

5.1. A introdução do tema propriamente dita, em que se designa o campo da interrogação e o cuidado de se anunciar o tema com as letras garrafais. Se a traição começar já na introdução, não se pára mais de escorregar. 5.2. Problematização do tema, sob uma forma dramática, ou seja, mostrar a tensão que o habita: mostrar que ele não é claro, que não é nada evidente e que exige uma explicação. 5.3. A formulação da interrogação: as questões existem para decompor o problema.

6. Evitar afirmações que se apóiam em falsas universalidades e banalidades do gênero: "Em todos os tempos, os homens..."; "Sempre e em toda a parte indagou-se sobre...", "O problema que vamos tratar é um dos mais importantes, dos mais interessantes..."

7. Lutar contra a "introdução lacônica", em que nada é anunciado, e a "introdução prolixa" que quer dizer tudo, queimando os cartuchos logo de início.

Resumindo

- A introdução serve primeiramente para introduzir o tema, depois para apresentar o problema, e por fim para formular as questões; - Ela anuncia, sob a forma de interrogação, o que será feito a seguir, no desenvolvimento do tema propriamente dito.

Copyright © 2010: Centro Espírita Ismael
Blog Facebook Twitter